Agendamento de visitas

Compartilhe

A visitação ao Memorial Minas Gerais Vale é gratuita.

As visitas mediadas acontecem de terça a sexta-feira, com agendamento prévio. Agendamentos de visitas, aos sábados, são exclusivos para turmas de EJA (Educação de Jovens e Adultos) ou instituições localizadas fora de Belo Horizonte.

Antes do agendamento da visita, leia as orientações contidas nos links abaixo “Escolares” ou “Não escolares” e escolha um Percurso Temático no quadro abaixo (opcional).

O agendamento deverá ser feito pelo telefone (31) 3343-7317, no horário de 9h às 19h, de segunda a sexta-feira.

Para o público espontâneo,  aos sábados e domingos são oferecidas “Sessões dialogadas” – diálogos alusivos às temáticas de algumas salas são propostos aos visitantes, buscando-se novas leituras e abordagens.Os horários são:

Sábados, ás 14h e 15h
Domingos, às  12h,  14h e 14h30.

Para a criançada, é possível fazer a visita com o Kit da Trilha da Infância. Com eles, os pequenos podem “explorar” o Memorial de maneira mais divertida, interessante e interativa. Basta pedir o kit na Recepção e devolver ao final da visita. Disponível em todo o horário de funcionamento do espaço.

Percursos temáticos:

Africanidades e memória
Resgatar a cultura africana presente em Minas Gerais, percebendo e valorizando a diversidade étnico-cultural, assim como identificar e reconhecer as diversas formas de resistência como manifestações culturais.
Artes visuais, imagem e memória
Pretende inserir o visitante no cenário das artes visuais em Minas Gerais através da observação das modificações que as expressões artísticas sofreram ao longo do tempo, num movimento de aproximação à imagem como ferramenta discursiva e condensadora de significados em contextos históricos no quais se insere.
Cartografia e memória
Refletir sobre os espaços de ocupação do estado de Minas Gerais, o que significa repensar caminhos, seja pela forma geométrica traçada pela Comissão Construtora de Belo Horizonte ou pelas trilhas abertas, clandestinamente, pelos traficantes de escravos, em que a cor pálida do cerrado e as serras se mesclavam nas ilustrações dos disputados mapas das Minas Setecentistas. Nesse cenário de medo e disputa repensamos a concepção cartográfica de Minas Gerais.
Infância e memória
Potencializar, a partir de práticas lúdicas, o papel do museu como espaço de encantamento e formação. Ativar de forma criativa o diálogo entre a criança e os espaços expositivos do Memorial, criando situações em que ela possa vivenciá-los e experimentá-los.
Literatura e memória
Reside em agregar a leitura de textos ao espaço museal, numa perspectiva de identificação e reciprocidade, procurando estimular a sensibilidade estética, a imaginação e o senso crítico, ora em um contexto histórico específico, ora atribuindo-lhes outros sentidos.
Mineiridades
Discutir sobre a diversidade cultural do estado de Minas Gerais, entendendo valores e processos de transformações históricas e sociais.
República e memória
Problematizar a implantação da República no Brasil, identificando os conceitos, símbolos e espaços públicos que marcaram o ideal republicano em Minas Gerais. Refletir sobre as noções de cidadania, liberdade e democracia, ressaltando-se a história do prédio da antiga Secretaria da Fazenda de Minas Gerais que abriga atualmente o Memorial.